sábado, 28 de janeiro de 2017

Será?

"Pessoal, infelizmente, por conta de um erro no planejamento orçamentário da gestão anterior, tivemos que decidir entre investir em obras ou pagar os salários dos educadores. Não tive dúvidas, pois educação é a base transformadora de uma sociedade. Preferimos priorizar esforços em atitudes invisíveis aos olhos hoje para o Brasil colher os frutos amanhã. Seguimos com determinação para colocar São Paulo no caminho certo!"

Será?
Será que é realmente isso que está acontecendo? Será que não está acontecendo  o mesmo que aconteceu com os dados do trânsito no site da CET?
Ou é o começo de um bem elaborado plano de publicidade para não cumprir os acordos salariais já acertados com a gestão anterior após paralisações e greves? 

Leandro Karnal ● Por que continuo sendo professor?



FONTE: Saber Filosófico

Câmara de Poá aprova apenas 05 leis sobre Educação em 2016

Analisando o site Câmara de Poá com o conteúdo de 2016 sobre leis aprovadas pelos vereadores, verificamos que o ano de 2016, último ano de mandato e ano eleitoral, que a quantidade de leis aprovadas ficou 13% abaixo  do que os dois últimos anos, 2015 e 2016, e 27% abaixo que 2013, primeiro ano dos vereadores que compuseram a 16ª legislatura, que foram: Antônio Alexandre Nunes Provisor, Antônio Nobre Ramos, Deneval Dias do Nascimento(reeleito), Diogo Reis da Costa(reeleito), Giancarlo Lopes(atual prefeito), , Jeruza Lisboa Pacheco Reis, Jorge Luiz Monteiro, José Carlos Costa(reeleito), José Ricardo Massa, Laudijane Ferreira Cavalcante, Lázaro Borges(reeleito), Luiz Antônio Soares de Oliveira, Luiz Eduardo Oliveira Alves(reeleito), Marcos Ribeiro Da Costa, Mário Massayoshi Kawashima (reeleito), Welson Lopes da Silva(reeleito) e Willian Ferrari(reeleito).



TEMAS 
As leis aprovadas tiveram dos mais variados temas. O que nos chama atenção é o número de projetos de leis encaminhados pelo poder executivo com intuito de remanejamento de verba e os de autoria de vereadores para "denominação de via pública"(ruas) ou de "praças públicas" totalizando 19 no ano.
Verifica-se também que educação, saúde, segurança e esporte não são temas tão tratados assim pelos vereadores em seus projetos de lei. Tanto nas caracterizadas como "Leis Ordinárias" quanto nas chamadas " Leis Complementares". Veja gráfico abaixo:


Educação
Em relação aos projetos que tem a Educação como tema central que totalizaram 05, três foram dando nomes as escolas(01) e creches(02), e 01 foi criando programa denominado "Boa visão" na rede de ensino e outro obrigando a rede municipal efetuar inscrições durante o ano inteiro.
Ou seja, "não há nada de errado" com a Educação de Poá que necessite de leis dos vereadores(?). 
Ou há na verdade uma falta de produtividade com o que realmente interessa para Educação poaense como, por exemplo, uma legislação que regulamente a distribuição do uniforme e material escolar; lei que valorize os profissionais da Educação como realmente se deve; lei que iniba e puna a violência contra professores; legislação de programas que incentive a família a participar da vida escolar dos filhos; leis de incentivo à educação profissional e ao ensino superior.
Aguardamos que a partir de 2017 seja feito, por parte dos vereadores, uma análise profunda na Educação poaense e que seus projetos tenham o cunho de melhora´-la e ampliá-la, fazendo, por exemplo, que não tenha mais vestibular para o acesso ao Ensino Fundamental II(6º ao 9º) da rede municipal.

FONTE:http://poa.sp.fullmidia.com.br/ 

terça-feira, 24 de janeiro de 2017

Kiara Terra se apresenta em Poá

No dia 26, quinta - feira, a contadora de histórias Kiara Terra se apresentará aos mais de 1000 professores da rede pública de ensino de Poá para iniciar o ano letivo.
Conheça um pouco sobre Kiara.



Fonte: Prefeitura de Poá e Youtube

Já em campanha Alckimin aumenta salário de professores

Já em campanha presidencial(como visto na entrevista à Miriam Leitão na Globo News, semana passada), o Governador de São Paulo Geraldo Alckimin depois de anos sem cumprir a lei do Piso Nacional do Magistério em atitude inédita e inesperada, aumentou em 10% o salário dos Professores de Educação Básica I(1º ao 5º Ano do Ensino Fundamental) nível I,  passando de R$ 2.086,93 para R$ 2.298, 80(valor do piso). Ainda reajustou em 5% os vencimentos de um pouco mais de 700 professores de nível 2.
Claramente uma ação com vistas as eleições de 2018, principalmente após o governo golpista de Temer ter anunciado o aumento do Piso Nacional e São Paulo ter sido vislumbrado como um dos Estados da federação que não cumprem o Piso.
Esse reajuste surpresa vem num momento em que as vésperas da atribuição de aulas para o ano letivo de 2017 a Rede Estadual de Ensino diminui o número de Professores Coordenadores das unidades.
A APEOESP um dos sindicatos da categoria vê distorções no reajuste. De acordo com o informativo "APEOESP Informa Urgente" no site da entidade o:
"...reajuste para adequar o piso do Magistério paulista ao piso nacional do magistério causa algumas distorções, de acordo com estudos do Dieese. Primeiramente, porque é um reajuste a poucos profissionais, já que os docentes que terão esse reajuste salarial representam apenas 9,4% do total de professores da rede em sala de aula. Ou seja, a esmagadora maioria dos professores não terá qualquer alteração salarial, o que quebra a isonomia dentro da carreira. Além deste efeito, o reajuste dado dessa forma iguala salarialmente os níveis I e II, o que “achata” a carreira da categoria, diminuindo a distância dos vencimentos iniciais e dos vencimentos finais."
O que podemos verificar é mais uma manobra tucana que não valoriza de fato a carreira do magistério e que visa espalhar em 2018 o modelo PSDB de governar para o Brasil.

APEOESP: chama ato para 08 de Março
Ainda na discussão sobre valorização da carreira, reajuste salarial para toda categoria e contra a reforma da previdência a APEOESP convocou ato para o dia 08 de Março.

FONTE: APEOESP e SEE/SP